A crise das Relações na Crise

A crise das Relações na Crise - Grupo Atitude Emocional

A crise das Relações na Crise

Você está percebendo as alterações em suas emoções neste momento de crise?
Talvez você esteja sentindo desânimo, falta de energia, incapacidade de focar naquilo que precisa focar. Talvez você esteja com dificuldade de sentir prazer fazendo coisas que antes de davam muito prazer, como: comer algo que gosta, assistir uma série ou filme. E essas são questões da sua individualidade, você sozinho, ou melhor consigo mesmo, mas quando pensamos nas relações que também percebemos alterações emocionais.

Nesse momento muitas pessoas estão com o “pavio emocional” muito curto e ficam reativas emocionalmente e isso faz com que as explosões emocionais aconteçam com bastante frequência levando a discussões e por fim um tremendo desgaste nas relações.

O que então podemos fazer a respeito de tudo isso? Como podemos atravessar essa crise com mais equilíbrio emocional?
É sobre isso que vamos tratar hoje nesse texto.

Para começarmos a entender o contexto emocional do que está acontecendo hoje, eu quero contar para vocês um história:
Imagine que você está no seu carro atravessando um deserto junto com as pessoas que convivem com você, vocês estão sem GPS e sem sinal no celular numa estrada completamente vazia. Pra completar o contador de quilometragem do seu carro está quebrado e por isso você não sabe o quão longe está no lugar onde quer chegar e nem quão longe está no lugar que você saiu.
Tudo está correndo dentro do planejado, até que seu carro para. Você vai verificar e constata que aparentemente não há um problema mecânico, e então percebe que o problema é que acabou a gasolina!

O que você pode fazer nesse momento?
Não tem carros passando, você está sem telefone, não sabe como conseguir ajuda, então só te resta andar!
O que você precisa fazer é andar até encontrar um posto de gasolina, e precisa fazer isso com o máximo de sanidade mental, foco no objetivo que é atravessar esse problema, o máximo de energia e saúde e o mínimo de dor.

Eis que o nosso ano de 2020 é surpreendido por uma crise, que a maioria de nós não esperava e tudo que estamos vivendo interrompeu a nossa jornada, o caminho que traçamos, os sonhos que desejávamos realizar. As nossas vidas mudaram completamente e estamos profundamente machucados devido a tudo isso, estamos em uma situação desafiadora e principalmente: não sabemos o quão longe estamos “do posto de gasolina”, do nosso porto seguro, não sabemos quando e nem se conseguiremos voltar a uma vida mais ou menos parecida com aquela que tínhamos antes disso tudo começar.

Estamos vivendo um momento de completa incerteza, junto com as incertezas vem o medo e do medo deriva as angústias, a ansiedade e o estresse.

Devido a tudo isso temos diversos prejuízos em nosso cérebro, ainda mais quando somamos a questão do isolamento!

Estamos agora com o nosso carro quebrado no meio do deserto! E o que fazer?

Se a sua prioridade é manter o equilíbrio emocional entre você e as pessoas ao seu redor, você deverá atravessar esse deserto com o mínimo de dor, o mínimo de atrito, com o mínimo de dificuldade. Você deve assim como as pessoas da história, priorizar o objetivo principal: atravessar tudo isso mantendo o equilíbrio emocional. Olhe para o espectro geral e não se apegue as pequenas coisas, enxergue que será passageiro e não será nada fácil, e principalmente: reconheça que este é um momento de dor coletiva e não há um cenário que possibilite que ninguém saia ileso. Depois que nos conscientizamos a respeito disso se torna possível minimizarmos as dores, evitando desgastes que prejudicam a nós mesmos e as outras pessoas. Este deve ser o seu objetivo: não foque nos pequenos problemas.

Quando estamos vivendo um momento de elevado estresse como esse, o nosso cérebro é sugado para o negativo, tendemos a prestar muita atenção aos pequenos detalhes negativos e eles se tornam enormes, somado ao “pavio curto emocional”, pronto, está criado o palco para as explosões acontecerem, para as pessoas brigarem por pequenas coisas.
Por isso precisamos treinar a nossa capacidade de olhar para o todo e não para o detalhe, precisamos deixar de tentar encontrar culpados, evite focar em pequenas  coisas e avaliar o todo.

* Pare, Respire e Pergunte-se: Isso está sobre o meu controle?

Toda vez que você se perceber sendo tomado por uma grande emoção negativa, por angústia e estresse diante de algo que está ruminando no pensamento ou propriamente de uma situação que está acontecendo (filhos, marido…), pergunte-se: isso está sobre o meu controle?
A primeira coisa que precisamos avaliar é o que está e o que não está dentro do nosso controle.
– Se a resposta for não, faço uma outra: Qual a utilidade de se preocupar com aquilo que não está no seu controle? Pra que isso serve?

– Agora se a resposta for sim: está no meu controle! A próxima questão a ser respondida é: Fazer algo a respeito disso será construtivo ou destrutivo para o meu objetivo principal e final?
Lembrem-se, que o seu norte deve ser atravessar esse período com o mínimo de dor possível para você e para as pessoas ao seu redor.
Olhe para o todo e não para o detalhe, antecipe o resultado da sua ação, aquela que vem de maneira explosiva e desajustada e perceba o quanto ela te afasta (se afasta) do objetivo final.

Fazendo essas duas perguntas antes de agir diante de uma situação ou pensamento que gera irritabilidade e angústia, te garanto que as suas ações serão muito mais prudentes e adequadas.

O maior problema de vivenciar situações como essa que estamos vivendo nesse momento, é que as emoções acabam governando tudo, a polarização emocional acaba envolvendo discussões que deveriam ser racionais e isso tem acontecido em todas as esferas. O foco nesse momento deve ser no que é vital, então use essas perguntas sempre que perceber que está explodindo algo negativo dentro de você.  

Quando estamos atravessando o deserto em busca de gasolina não adianta ficar reclamando que o pé está doendo ou o sol está muito forte, nem tentar encontrar o culpado por não ter feito a revisão do carro, porque tudo isso não está no seu controle e lamentar e ser acusatório não é construtivo para chegar no seu objetivo.
Não deixe as suas emoções instantâneas governarem o teu comportamento.

Não acredito e acho bastante saudável que vocês não pensem que esse momento é uma benção disfarçada, isso é uma grande baboseira, estamos vivendo um momento de extrema angústia e dor. Entretanto, em momentos como esses podemos reforçar os laços das nossas relações, olhar para dentro de nós e entender um pouco melhor como nos mesmos funcionamos, quais são nossos limites e limitações.

Use esse momento para entender o quanto somos frágeis e vulneráveis.

Tem muita gente se achando o super homem ou super mulher da crise, mas passar por tudo isso como se nada tivesse abalando, muito pelo contrário, aproveitando o “tempo livre” para ser ainda mais produtivo e realizador pode ser muito ruim, não devemos esconder as nossas dores em baixo do tapete, somos todos vulneráveis.

Outra coisa muito perigosa nesse momento e a culpabilização e a comparação.
Não exija que o outro se comporte, se importe e pense como você! Cada um de nós está vivendo essa crise de uma maneira muito singular, então não cobre que seu esposo pense igual, ou que a sua esposa queira o mesmo que você! A sua esposa / o seu esposo é diferente de você, a sua família é diferente de você, seus amigos são diferentes de você.

Exercer a empatia de verdade está justamente no ato de entender que o outro é outro, e você nunca vai saber o que está passando dentro da cabeça dele. Ter carinho por essas pessoas é respeitar a individualidade delas neste momento, é respeitar que elas podem estar sentindo-se profundamente solitárias mesmo como você ali do lado, é respeitar que é nesse momento de solidão que elas estão precisando do seu carinho do seu abraço e não de briga, discussão e ofensas.

O carinho conosco e o carinho com os outros envolve essa compreensão da nossa própria fragilidade e da fragilidade dos outros. Esperar perfeição das pessoas nesse momento é delirante.

As vezes você também quer tornar-se perfeito nesse momento, está batalhando para se sentir produtivo e feliz durante a crise e, talvez esse seja um objetivo grande demais! Talvez você esteja carregando uma pedra nas suas costas que é muito grande, e portanto, tenha mais carinho consigo mesmo. Lembre-se que nós estamos passando por um momento que machuca e que irá machucar, mas se você tiver essa consciência, de olhar para o objetivo, focar nele, não se apegar as coisas pequenas e frequentemente parar, respirar, olhar para o todo e só fizer o que for construtivo para o grande objetivo, eu te garanto que você irá passar por tudo isso com muito mais equilíbrio emocional.

Por Eliana Almeida
Psicóloga, Psicodramatista.
@atitudenasrelacoes

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email